Coletor 4×1 Ordospec

Há uma semana, agora em novembro 2019, instalei o coletor de aço carbono ordospec. Instalei no Box 1900 aqui em Curitiba. Usei a fita térmica Titanium Extreme da MetalHorse. Instalei com fita para reduzir a irradiação de calor para a cabine e para evitar dano em peças plásticas como o coletor de admissão.

Foto do coletor em Inox. A versão em aço carbono é idêntica, mas… preta em aço carbono.
Imagina sair assim diretão.

A instalação levou das 9h às 14h. Em seguida, fui com o escape diretão (foto abaixo) ao GG Escapamentos, onde fiz a solda e instalei todo catback que comprei. Nesse trajeto, o barulho era impossível. Parecia um caminhão.

Uma grande preocupação minha era o barulho. Gosto do ronco encorpado, mas uso o carro diário, trabalho em outra cidade e possuo uma filha pequena. Então, para abafar esse barulho e deixar o ronco agradável, usei um intermediário Alpha K da RR abafadores e um Barenwald Essen de 2,5″. E, para fechar, uma ponteira Akrapovic “queimada de azul”.

O intermediário Alpha K da RR escapamentos, seu funcionamento dispensa o uso de lã interna pois é projetado para abafar o som por meio de defletores que induzem as ondas sonoras ao cancelamento por colisão. O som fica mais metalizado, mas valoriza os agudos e reduz muito a ressonância. Recomendo bastante o produto.

Carro estava bem sujo.

O resultado foi que senti o carro bem mais solto e esperto, ainda sem acerto algum de injeção. E o ronco ficou incrível. Nesta semana, fiz o ajuste do mapa para aproveitar ao máximo o coletor. O ajuste foi feito pelo Marcio Maia, Performance and Drivability Leader da Renault, que “afina” os carros da Ordospec e vários Renaults.

O ganho parece ter sido expressivo, mas, para isso, abri mão do ajuste Flex. Rodo apenas no álcool. O corte de giro também foi elevado para 7000rpm. Um ponto importante de acertar o mapa é evitar que as sondas lambdas deem o erro de injeção decorrente da remoção do catalisador. Segundo relatório que tiramos, o meu já havia “percebido” e logo mais daria o erro.

Ainda não coloquei no dinamômetro ou fiz vídeo, mas em janeiro botarei no dino e em breve, gravarei um vídeo do ronco.

Um ponto interessante de ressaltar: meu carro, quando era original, fazia um “nhec nhec” lá na traseira. E, toda vez que eu ligava, fazia um barulho de metal ali na altura da cabine. Com as mudanças, sumiram. Acredito que eram as dimensões do abafador original e o catalisador, que saíram nessa receita.